segunda-feira, 11 de julho de 2016

A Era do Gelo: O Big Bang



Sinopse: Depois que o esquilo Scrat, involuntariamente, provoca um acidente espacial em sua incansável perseguição pela noz, um enorme meteoro entra em rota de colisão com a Terra, ameaçando o lar de Manny, Diego, Sid e cia. Sem saber o que fazer para reverter a situação, eles terão que confiar em Buck, a elétrica doninha caolha do terceiro filme – único do grupo que realmente tem um plano para evitar o trágico fim de todos. Paralelamente, Mannie e Ellie têm que lidar com iminente saída de Amora de casa, ao passo que Diego e Shira pensam em aumentar a família e Sid finalmente parece encontrar o amor.


Parece que faz pouco tempo desde o lançamento do primeiro A Era do Gelo em 2002, o que mais me encantou naquele filme foi a técnica de animação, que apesar de parecer mais "simples" do que algumas animações da época, foi na realidade algo muito bem pensado e elaborado, arriscando bastante e tornando a história encantadora na luta dos animais de levarem a criança de volta para o pai e em seus próprios conflitos de aceitarem um ao outro.

Classifico que, quando um filme ganha tantas sequencias, já se torna uma série em longas metragens. Posso dizer que o primeiro A Era do Gelo foi muito bom, o segundo filme já não fez jus ao primeiro, o terceiro filme é meu favorito, o quarto filme achei que iria afundar tudo e este quinto filme, vamos ver...

O filme mostra que Scrat é capaz de piorar cada vez mais suas ações, como no 4° filme imaginamos que separar os continentes e afundar Atlântida já seriam os maiores e piores atos do querido personagem. Agora Scrat consegue levar suas trapalhadas para o espaço, causando um acidente que pode levar a destruição de todo planeta.

Algo que está me incomodando desde o filme anterior, é o excesso de personagens. Este A Era do Gelo: O Big Bang, consegue ser melhor, mas mesmo assim o "encaixe" de personagens que não alteram em nada a história e as tramas paralelas, fazem o filme ficar cansativo. Um dos grandes méritos do primeiro filme foi justamente a simplicidade de mostrar apenas aqueles que tem uma importância na trama, mesmo que a aparição era rápida, sempre que um personagem entrava na história era para definir os rumos dos principais. Até por eu adorar o terceiro filme, onde entram mais personagens, justamente aconteceu dos mesmos terem seu peso na história.

A Era do Gelo: O Big Bang não é um filme ruim, pelo contrário, faz jus ao que veio. Nos oferece entretenimento, nos faz rir e torcer para que termine tudo bem. Mas mesmo assim, ainda tenho a convicção que é necessário voltar um pouco nas raízes e verificar que as vezes o mais simples é o melhor. Claro que a tecnologia sempre precisa avançar, mas falo mesmo em questão do roteiro, que para mim, é um dos principais quesitos de um bom filme.

Devo dizer que as vozes sempre vão ser um espetáculo a parte de A Era do Gelo. Tanto a versão original em inglês quanto a versão brasileira, sempre vão ser muito engraçadas.

Definir o quinto A Era do Gelo, é fácil. Disparado melhor do que o quarto filme, mas mesmo assim não supera os anteriores. Vamos dizer que os melhores filmes da franquia são os de número ímpar.

Algo que sempre faço crítica é a adaptação de títulos americanos em português aqui no Brasil. É um erro grave dizer "O Big Bang" como subtítulo, afinal o filme não se trata de como o universo surgiu e sim de um meteoro que entrou em rota de colisão com nosso planeta, ou seja, o planeta já existe. Traduzir o título literalmente seria muito mais óbvio, o filme na verdade se chama "A Era do Gelo: Rota de Colisão" ou "A Era do Gelo: Curso de Colisão", que seja, bem melhor do que cometer o erro imenso de dizer que o filme se trata do Big Bang, isso mostra que a pessoa que adaptou o título, sequer assistiu o filme ou leu uma sinopse.

Trailer do site:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente: